Mapas mentais

Alguns meses atrás me deparei com uma metodologia chamada mapas mentais, ou em seu original, mind maps.

Confesso que já tinha notícia muito tempo antes mas na altura não tinha dado muita importância, me parecera um pouco fantasioso e acabei por não me informar do que realmente era. Erro meu!

Ano passado, durante uma aula, notei que minha colega ao lado fazia anotações de uma forma pouco ortodoxa: tinha uma ideia escrita no meio do papel e contido em um circulo de onde saiam setas apontando para outros círculos com ideias derivadas.

Pois bem, munido de minha curiosidade, fui perguntar do que se tratava e logo descobri que era o mesmo que tinha visto anos antes mas agora aplicado a algo que me era familiar. Assim pude entender o funcionamento da coisa!

O mapa mental consiste na percepção de que nossos pensamentos não são lineares mas derivam de ideias primárias que se ramificam até cobrir diversos detalhes do que se passa, sobre aquele assunto, em nossas mentes.

Tendo isto em mente é possível reduzir todo tipo de informação que necessitamos organizar ou guardar para resgatar no futuro de forma organizada e com o adicional que este mapa que é feito no papel se reflecte no cérebro pois a distribuição espacial das informações ficam muito mais fácil de ser encontradas. Você nunca se pegou tentando encontrar algo que havia escrito no canto superior esquerdo de uma página de caderno?

Uma das grandes vantagens de quem usa os mapas mentais é que pode ser aplicado a quase tudo na vida: planejamento de uma viagem, confecção de um artigo, anotações em sala de aula, projecto de pesquisa e qualquer actividade que envolva informações.

Então tudo passou a fazer sentido. Inicia-se com uma ideia em um plano central que se dividira por tantas outras quanto forem necessárias. Para ampliar a capacidade produtiva, pode-se acrescentar cores e figuras. Com as cores utilizamos a outra metade do cérebro e com imagens guardamos mais informações.

Para completar encontrei alguns softwares que auxiliam a elaboração e visualização das informações tornando a vida de quem adopta o mapa mental uma maravilha.

Eu adoptei o FreeMind que é de utilização livre e tem a mesma versão para qualquer sistema, é escrito em java, podendo rodar sem problemas de compatibilidade. Também é muito completo e traz a maioria de recursos que os outros trazem e, para quem esta iniciando, é de utilização bastante simples e intuitiva.

Convido todos vocês a experimentarem esta metodologia bem como os softwares que possibilitam a confecção dos mapas.

Comente sua experiência!

Comentários

comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *